Parte do valor da venda de Davó é usada para pagar dívida do Guarani de 2013

O valor pago foi de R$ 20.033,84 (30% da dívida total), por meio de um depósito judicial, para a 9ª Vara Cível de Campinas

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 04 (AFI) - O Guarani quitou parte do valor que deve à RDRN Participações e Empreendimentos LTDS em julho. A empresa acionou a Justiça por conta de negociações ainda de 2013. O valor pago foi de R$ 20.033,84 (30% da dívida total), por meio de um depósito judicial, para a 9ª Vara Cível de Campinas - Tribunal de Justiça de São Paulo, e é oriundo da venda de Davó ao Corinthians.

A empresa, sediada em São Paulo, cobra comissões por conta das chegadas do zagueiro Tiago Pagnussat e do lateral-esquerdo Eusébio, em 2013. Por Tiago, a empresa cobra R$ 18 mil, que ficou dividido em dez parcelas na época, nunca pagas. Já por Eusébio, o valor foi de R$ 6 mil, em parcelas de R$ 600, também nunca pagas. Com isso, pediu ressarcimento de R$ 25.021,72 mais juros, correção monetário e honorários - o pedido é de 2014 e a dívida atualmente é bem maior.

Valor da venda de Davó é usado para pagar dívida
Valor da venda de Davó é usado para pagar dívida

O CASO

A Justiça cobra investigações mais detalhadas a fim de ressarcir a RDRN Participações e Empreendimentos Ltda em R$ 35 mil. A empresa, ainda no mês de março de 2020, exigiu acerto imediato com o Bugre e afirma que o processo de venda não foi feito de modo legal.

Os direitos econômicos de Davó ainda continuam penhorados para quitação da dívida do Guarani com a empresa RDRN Participações e Empreendimentos Ltda, que efetuou empréstimo ao clube no início dos anos 2010.

Em 2019, Davó conseguiu ser liberado pelo Guarani por apenas R$ 700 mil mediante depósito feito até 18 de setembro - a multa rescisória ao mercado interno era estipulada em R$ 8 milhões.